Olá, sejam bem vindos.

Aqui você encontrará informações interessantes sobre diabetes.
Para você que tem ou conhece alguém que tenha, seja bem vindo em utilizar este veículo de informações.
Dicas de saúde, receitas, produtos e muito mais.
Faça parte deste grupo, siga-nos para uma vida mais gostosa.

"Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a DEUS a cada minuto pelo milagre da vida" (Fernando Pessoa)

27 de jan de 2012

Dicas para controlar diabetes em crianças

Você  sabe o que seu filho com diabetes pode comer? Bem, ele poderá comer o que as outras crianças comem, apenas com mais equilíbrio nos nutrientes: Carboidratos/proteínas/ gorduras/frutas e verduras que fornecem vitaminas e fibras. A diferença é que, no dia-a-dia, você deve evitar dar a ele doces e controlar a ingestão de carboidratos (o ideal do prato de qualquer garoto).
--
Mas quando ele quiser comer um brigadeiro, tomar um sorvete, provar do milkshake do amigo, libere. Se ele se sentir seguro, que de vez em quando pode comer bobagens, vai se alimentar com muito mais qualidade.
Dicas Importantes:
• Incentive seu filho a praticar esportes desde pequeno.
• Ensine seu filho a contar os carboidratos, entendendo que alimentos ele pode trocar
por outros. Ele vai ter autoconfiança de que pode se cuidar direitinho. 
• Você, o resto da família, os irmãos, todo mundo em casa deve encarar o diabetes da
forma mais natural possível. Ele não pode se sentir – e ele não é – diferente de ninguém.
• Sempre aprenda e faça com que ele aprenda a se cuidar: como medir a glicemia, como
se medicar, como se virar em caso de hipoglicemia.
O que fazer em aniversários?
Criança não pensa em comer em festinha, criança vai para brincar. Quem come é o adulto acompanhante, que fica observando os filhos correrem para lá e para cá enquanto conversa com outros pais e vai papando um brigadeiro, mais um croquetinho, só mais uma empadinha… Além disso, criança corre tanto, brinca tanto em festa que em geral queima todos os carboidratos ali mesmo. Por precaução, claro, meça a glicemia do seu  filho antes e na volta da festa. Daí é medicar e manter a alimentação saudável depois. Assim todo mundo pode se divertir sossegado.
O que fazer na escola?
A cena clássica da criança apontando o dedo para a outra e soltando uma piada de algo constrangedor faz qualquer pai e mãe tremerem por dentro. Quem nunca ouviu, quando era criança, alguma gozação por ser gordo, ou usar óculos, ou vestir uma saia que a má amiga achou “ridícula!” é porque nunca foi à escola. Mais do que compreensível, portanto, que você se preocupe com o dia-a-dia do seu filho entre os amiguinhos. E quando ele se medicar na frente deles? E se quiserem desafiar o garoto a comer algo? E se alguém discriminar seu “bebê”? Provavelmente seu filho vai aprender a lidar com isso na maior, mas você deve ajudá-lo a ter auto-estima.
Prepare seu filho para entender o diabetes e saber como se cuidar. Fale a verdade, do jeito mais simples que ele possa entender: o diabetes pode trazer problemas sérios, mas quem come alimentos saudáveis, toma o remédio, mede a glicemia e faz exercício vai viver muito feliz, sim. Estimule seu filho a saber mais, a fazer o que gosta, a não ter medos que o impeçam das coisas. Assim ele ganha auto-estima, essencial para todos nós. E os colegas da escola? Diante de um amigo tão natural com o próprio diabetes, eles aos poucos param de dar importância para isso. E vão até ajudar se for preciso. Com prazer.
Tire suas dúvidas, sempre, com o cuidador do seu filho, o médico ou a nutricionista. Você também vai se cuidar melhor, e o diabetes, de algum modo, vai acabar melhorando a saúde geral da família.
Fonte: Livro Comida que Cuida 2

25 de jan de 2012

Bom dia !!! Que tal exercícios ao ar livre nessa véspera de feriado?


Divirta-se e entre em forma ao ar livre
 
Se você tem verdadeiro pavor de fazer exercícios em lugares fechados, seja na bagunça de uma academia ou na calma de sua casa, a opção ideal é ir para a rua. Confira alguns exercícios que você pode fazer, sugeridos pela personal trainer Ana Paula de Oliveira Dutra:

Caminhada 
Uma caminhada de casa até a banca de jornais ou ao supermercado já pode fazer diferença em seu dia a dia. Se tiver tempo, vá a um parque ou uma área arborizada para praticar o exercício.
Marque sempre o tempo que passou andando e tente melhorar o rendimento com a prática. Comece caminhando por 20 minutos e vá aumentando o tempo. O importante é manter a freqüência e a duração do exercício.

Corrida 
Quem não tem costume de correr, pode começar com caminhadas de 20 a 35 minutos. Aos poucos, vá intercalando a caminhada com corridas leves, até se sentir a vontade para manter-se na corrida.
Procure correr apenas o necessário para se sentir bem, sem ultrapassar seus limites. Lembre-se de manter-se sempre hidradatado. Procure áreas arborizadas ou parques para a prática da corrida.

Bicicleta 
A bicicleta é um aparelho que trabalha a musculatura das pernas e pode trazer dores se for praticada em excesso. Pedale o suficiente para se sentir bem, sem ultapassar seus limites.
Lembre-se de levar uma garrafa de água para se manter hidratado. Dê preferência a áreas verdes ou com trânsito tranqüilo.

Alongamentos 
Utilize bancos ou grades para prasticar o alongamento. Após uma sessão de corrida, caminhada ou bicicleta é importante relaxar a musculatura. Alongue-se até sentir a tensão, mas tenha cuidado: alongar demais pode ocasionar lesões.

Vantagens dos exercícios ao ar livre
Além da melhora do condicionamento físico, estes exercícios favorecem principalmente a musculatora das pernas e glúteos. Na bicicleta, devido à posição para a prática da atividade, há também um fortalecimento do tronco e dos membros superiores. "Em última análise, há uma melhora no aspecto 
estético", diz a personal trainer Ana Paula Dutra.




Fonte: Site Terra

24 de jan de 2012

Os 10 Alimentos Mais Perigosos Para A Sua Saúde

10alimentos


Alimentos das redes fast-food  estão cada vez mais presentes na vida de todos nós. Mas é preciso saber o mal que eles fazem à saúde. Cachorro-quente, pizza e muitos outros não apenas prejudicam a estética, desenvolvendo uns quilinhos a mais, mas também trazem diversos e sérios riscos à saúde.

10º LUGAR: SORVETE

Os sorvetes apresentam altos níveis de açúcar e gordura trans, além de corantes e saborizantes artificiais, muitos dos quais contêm neurotoxinas – substâncias químicas que causam sérios danos ao cérebro e ao sistema nervoso.

9º LUGAR: SALGADINHOS DE MILHO

Desde que os alimentos transgênicos surgiram, a grande maioria do milho que ingerimos é considerada “comida Frankenstein”. Esse tipo de alimento pode causar, entre outras coisas, flutuação dos níveis de açúcar no sangue e, consequentemente, alteração de humor, ganho de peso e irritabilidade. Outro perigo é que a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.

8º LUGAR: PIZZA

Nem todas elas são ruins para a saúde, mas as que são vendidas congeladas apresentam alto nível de condicionadores de massa artificial e conservantes. Produzidas com farinha branca, as pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro – o que causa o ganho de peso e o desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.

7º LUGAR: BATATA FRITA

Apesar de saborosas, as batatas fritas contêm gordura trans e uma perigosíssima substância cancerígena, a acrilamida, que se forma quando a batata branca é aquecida em alta temperatura. Quanto à fritura, o mesmo ocorre com os salgadinhos de milho, ou seja, o óleo se torna rançoso e pode causar inflamações, além de agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.

6º LUGAR: SALGADINHOS DE BATATA

Causam todos os danos das batatas fritas comuns e ainda não trazem benefícios nutricionais à saúde. Esses salgadinhos contam com níveis mais altos de acrilamida, substância cancerígena.

5º LUGAR: BACON

O consumo diário de carnes processadas – e isso inclui o bacon – pode elevar o risco do surgimento de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Outra coisa: um estudo da Universidade de Columbia descobriu que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças no órgão.

4º LUGAR: CACHORRO QUENTE

Uma pesquisa da Universidade do Havaí aponta que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer no pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado, tanto no cachorro-quente quanto no bacon, é o nitrito de sódio. A substância é cancerígena e está relacionada a doenças como leucemia, em crianças, e tumores cerebrais em bebês. Outros estudos apontam que ela pode colaborar com o desenvolvimento do câncer colorretal.

3º LUGAR: DONUTS (ROSQUINHAS)

35% a 40% da composição do donuts é de gordura trans, o pior tipo de gordura que existe. Essa gordura está relacionada a doenças cardíacas, cerebrais e ao câncer. Esse doce também é cheio de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares. Cada um possui em média 300 calorias.

2º LUGAR: REFRIGERANTES

De acordo com uma pesquisa, uma lata de refrigerante contém cerca de 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, de 30 a 55 mg de cafeína e está cheia de corantes artificiais e sulfitos. Bastaria isso para fazer você repensar seu consumo de refrigerantes. Além desses números, a bebida é extremamente ácida e são necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez que é perigosa para os rins. Nossos ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio. Esses minerais são despejados no sangue e ajudam a neutralizar a acidez causada pela ingestão do refrigerante. Isso acaba enfraquecendo os ossos e pode ajudar no surgimento de osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º LUGAR: REFRIGERANTE “DIET”

Refrigerante “diet” é o pior alimento de todos os tempos. Isso porque a bebida possui todos os problemas dos refrigerantes normais e ainda contém aspartame, que está ligado a inúmeras doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte. Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com o Mal de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla e pós-pólio. Ninguém merece, não acha?

Diabetes Gestacional

Cuidados com a mãe e o bebê devem ser redobrados.

Apesar do diabetes gestacional ser considerado uma situação de gravidez de alto risco, os cuidados médicos e o envolvimento da gestante possibilitam que a gestação corra tranqüilamente e que os bebês nasçam no momento adequado e em boas condições de saúde.
Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida ou o aparecimento do diabetes gestacional em mulheres que antes não apresentavam a doença. "O diabetes gestacional é a alteração das taxas de açúcar no sangue que aparece ou é diagnosticada, pela primeira vez, durante a gravidez. Pode atingir até 7% das grávidas, mas não impede uma gestação tranqüila, quando é diagnosticado precocemente e recebe acompanhamento médico, durante a gestação e após o nascimento do bebê", explica a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.
Várias são as mudanças metabólicas e hormonais que ocorrem na gestação. Uma delas é o aumento da produção de hormônios, principalmente o hormônio lactogênio placentário, que pode prejudicar - ou até mesmo bloquear - a ação da insulina materna. Para a maioria das gestantes isso não chega a ser um problema, pois o próprio corpo compensa o desequilíbrio, aumentando a fabricação de insulina. Entretanto, nem todas as mulheres reagem desta maneira e algumas delas desenvolvem as elevações glicêmicas características do diabetes gestacional. Por isso, é tão importante detectar o distúrbio, o mais cedo possível, para preservar a saúde da mãe e do bebê. "O tratamento do diabetes gestacional tem por objetivo diminuir a taxa de macrossomia – os grandes bebês filhos de mães diabéticas – evitar a queda do açúcar do sangue do bebê ao nascer e diminuir a incidência da cesareana”, explica a médica. Para a mãe, além de aumento do risco de cesareana, o diabetes gestacional pode estar associado à toxemia, uma condição da gravidez que provoca pressão alta e geralmente pode ser detectado pelo aparecimento de um inocente inchaço das pernas, mas que pode evoluir para a eclâmpsia, com elevado risco de mortalidade materno-fetal e parto prematuro.
Diante de tantos riscos potenciais, é essencial que as futuras mamães façam exames para checar a taxa de açúcar no sangue durante o pré-natal. "As grávidas devem fazer o rastreamento do diabetes entre a 24ª e a 28ª semana de gestação", diz a endocrinologista. Mulheres que integram o grupo de risco do diabetes devem fazer o teste de tolerância glicêmica, antes, a partir da 12ª semana de gestação. "Os exames são fundamentais para um diagnóstico preciso, porque os sintomas da doença não ficam muito claros durante a gravidez. Muitos sintomas se confundem com os da própria gestação, como vontade de urinar a todo momento, sensação de fraqueza e mais apetite", recomenda Ellen Paiva.

Importância da terapia nutricional
Diagnosticado o diabetes gestacional, a gravidez precisa ser cercada de novos cuidados. "O controle da alimentação, por exemplo, deve ser feito com a ajuda de um profissional capacitado. Dietas mal elaboradas podem interferir no desenvolvimento do feto. Dietas abaixo de 1200 Kcal/dia ou com restrição de mais de 50% do metabolismo basal não são recomendadas, pois estão relacionadas com desenvolvimento de cetose", diz a médica.
A terapia nutricional é um aliado importante. Para muitas mulheres é suficiente para manter a glicemia dentro dos valores recomendados pelo médico. "Na gravidez, a mulher deve ganhar um mínimo de peso, em geral entre 10 e 12 quilos, para mulheres que estão com o peso adequado. Suas escolhas alimentares devem ser saudáveis. Será necessário relembrar os conhecimentos básicos de nutrição. Por isso, a orientação de um nutricionista é recomendável", explica Ellen Paiva.
Dentre os objetivos da terapia nutricional deve constar, também, um limite para ganhar peso, recomendado às mulheres obesas. Isso é imprescindível, porque é mais freqüente que mulheres obesas desenvolvam diabetes durante a gestação. "O ganho de peso máximo recomendado para essa situação é de mais ou menos 7kg”, diz a diretora do Citen. A dieta pode ser acompanhada de exercícios leves como nadar ou caminhar.
Terapia insulínica
Caso haja dificuldade para atingir resultados satisfatórios do controle da glicemia somente com a dieta, há ainda a terapia insulínica, como uma alternativa de tratamento. "O tratamento com insulina está, em geral, indicado quando as taxas de glicose em jejum ficam acima de 105 mg/dl e as taxas de glicose medidas 2 horas após as refeições acima de 130 mg/dl", explica a endocrinologista Ellen Paiva.
É comum haver a necessidade de aumento das doses de insulina no final da gravidez, a partir do terceiro trimestre, porque a resistência à insulina, geralmente, aumenta neste período. No terceiro trimestre da gravidez, os níveis baixos de glicose que levariam à hipoglicemia são raros. Contudo, grávidas que usam insulina correm o risco de apresentar hipoglicemia. "Para prevenir os incômodos sintomas de uma crise de hipoglicemia, a gestante deve seguir o seu planejamento alimentar, respeitar os horários das refeições e fazer adequações necessárias em sua alimentação, quando for praticar algum tipo de exercício", recomenda a endocrinologista.

Controle da doença
Após o parto, geralmente o diabetes desaparece, mas essas pacientes têm grande risco de sofrerem o mesmo transtorno em gestações futuras e 20-40% de chance de se tornarem definitivamente diabéticas nos próximos 10 anos. "Além das complicações no pós-parto imediato, estudos demonstraram que os fetos macrossômicos têm risco aumentado de desenvolverem obesidade e diabetes durante a adolescência, por isso, os cuidados com a alimentação prosseguem após o parto, para mãe e filho", recomenda Ellen Paiva.
Ocorreu um erro neste gadget